“Trabalhava em uma agência de propaganda e, assim que comuniquei que estava grávida, fui demitida. Passei a gravidez inteira pensando no que faria para ganhar dinheiro - o que foi ótimo, pois consegui me planejar com calma e organização. Só tinha uma certeza: não queria ser apenas um número em qualquer empresa; não seria mais descartável. Então, fui ser minha própria chefe. A ideia de lançar minha marca infantil, a It Babies, surgiu quando comecei a procurar roupas para a minha filha e tive dificuldade de encontrar peças básicas e acessórios descolados. Foi aí que identifiquei uma brecha no mercado. Para poder ficar com a minha filha, optei pela venda online, pois conseguiria trabalhar e divulgar os produtos de casa. Além disso, é uma opção mais barata, pois não pago aluguel, não preciso de funcionários, não tenho horário. A plataforma online é mais prática também: o controle do estoque é automático e a exposição dos produtos é mais organizada. Apesar de ser virtual, o cliente se sente mais seguro quanto ao pagamento e políticas de troca do que ao fazer uma compra pelo Instagram, por exemplo. Para escolher a plataforma que melhor me atendia, pesquisei muitas lojas virtuais e fui anotando tudo de que gostava e não gostava sobre o processo de compra. Passei tudo para uma agência especializada e eles me deram sugestões. Uma boa plataforma faz toda a diferença, pois é o que substitui o contato físico; é a ponte entre você e o consumidor.
INFOJOBS.COM.BR estabelece dois mecanismos mediante os quais os candidatos que os solicitem possam ativar ou excluir os serviços de comunicações eletrônicas, de forma simples e gratuita. Para isso, o candidato deverá entrar no menu de acesso de candidatos, e ativar ou desativar a opção de envio na seção de publicidade. Da mesma forma, poderão excluir-se desse serviço, seguindo as instruções que são indicadas no rodapé do corpo dos correios eletrônicos.
Cada vez mais mulheres optam por trocar as responsabilidades do mundo corporativo por uma nova e ainda mais árdua, ainda que deliciosa, função: ser mãe.  Mas o tempo passa, a licença-maternidade acaba, e aquela vontade de voltar ao mercado de trabalho aumenta na mesma proporção a coragem de deixar o bebê diminui. O dilema comum é resolvido de maneira prática por muitas mulheres: trabalhar em casa. CRESCER conversou com quatro mães empreendedoras que abriram negócios que funcionam pela internet para acompanhar a maternidade de perto. Inspire-se e tire sua ideia do papel!
×