No dia seguinte, houve um "Opportunity Meeting" com o director, onde nos foi feita uma lavagem cerebral, cujo objectivo era fazer-nos crer que ganharíamos um bom ordenado ao mesmo tempo que progredíamos na carreira, e tudo isso dependeria apenas da nossa dedicação. Essa dedicação, como vim a verificar nas 3 semanas em que estive na empresa, consistia em trabalhar DOZE HORAS POR DIA, 6 DIAS POR SEMANA, recebendo apenas uma comissão de 20 ou 30€ por venda - e, como é óbvio, nem sempre se vendia, principalmente porque nos enviavam para a mesma zona de dois em dois dias. As despesas de deslocação e alimentação eram por nossa conta pois, teoricamente, éramos trabalhadores independentes.
Cara formadora da empresa, licenciada: concordo consigo quando diz que "num país onde não há grandes oportunidades, há-que agarrar todas as que nos surgem certo?", no entanto há que ter em conta que qualquer pessoa no seu perfeito juízo procura uma oportunidade de crescer profissionalmente e, acima de tudo, de alcançar alguma autonomia financeira - ou mesmo ganhar o suficiente para satisfazer as suas necessidades básicas, como comida e habitação. Ora, esta empresa(já não sei que nome hei-de mencionar) não só não oferece quaisquer garantias, como ainda implica que o trabalhador "invista" em alimentação, deslocações, enfim, todas as despesas inerentes ao desempenho da função. <<<<
×